segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Uma nova Escola


Amigos,

A satisfação que temos ao completar o mandato é muito grande, pelo muito que pudemos
aprender com todos os Conselheiros e funcionários da Escola Judicial, porque  fizeram o seu trabalho com espírito público e dedicação. Todavia, nossa alegria é ainda maior, tendo em vista o resultado da eleição para o Conselho da EJUD2, que a dirigirá no biênio de 2014 (final) a 2016. Não poderia ser melhor: Leila Chevtchuk (diretora), Adalberto Martins(vice-diretor), Regina Aparecida Duarte, Armando Augusto Pinheiro Pires, Cynthia Gomes Rosa e Eduardo Rockenbach Pires (conselheiros).


Efetivamente, são colegas de valor intelectual incontestável e que demonstraram, ao longo de suas carreiras, diligência e equilíbrio, aprumo técnico e seriedade. E, como poderão constatar, na breve apresentação que faremos de seus currículos, interesses amplos os movem, não só no Direito, mas em outras áreas, como na Psicologia, na Arte, na Pedagogia, no Meio ambiente, na Filosofia, na Psicanálise e outras. Vocacionados para a comunicação, para o ensino e para a liderança, reúnem o que é mais precioso para uma Escola: a visão inter e transdisciplinar.

Sem dúvida, juntamente com os Subnúcleos, que ora compõem e completam a Escola, coordenados por Salvador Franco de Lima Laurino, Silvana Abramo Margherito Ariano, Francisco Ferreira Jorge Neto, Regina Maria Vasconcelos Dubugras, Jane Granzoto Torres da Silva, Paulo Sérgio Jakutis, Márcio Mendes Granconato, Rodrigo Garcia Schwarz, Wilson Ricardo Buquetti Pirotta e Fernando César Teixeira França, farão um biênio de consolidação das estruturas já criadas e de avanço na busca do objetivo maior: uma Escola Judicial viva, fértil, parceira dos magistrados e servidores, liberta de injunções político-administrativas menores, generosa, liberal, pronta para conviver com pensamentos contrários, aproximar vontades legítimas e construir o pensamento da 2ª Região, no exercício da jurisdição e na concretização de um sistema jurídico justo.

Eis abaixo, em rápidas pinceladas, um retrato dos novos dirigentes, fixando-nos, um pouco mais na figura da Diretora eleita, que terá responsabilidade maior. Vamos lá:

Leila Aparecida Chevtchuk de Oliveira
. Diretora da EJUD2.
. Graduada em Direito pela USP, 1984.
. Mestre em Direito das Relações Sociais, pela PUC/SP, 2010.
. Pós-graduada em Direito do Trabalho, pela Universidade de Lisboa, 2012.
. Juíza do trabalho desde 1988.
. Desembargadora do TRT da 2ª Região, desde 2010.
. Estudiosa da Psicanálise.
. Antes da magistratura, foi instrutora de Inglês e Procuradora do Ministério do Trabalho, na 15ª Região.
A par da objetividade desta apresentação, não é demais dizer que Leila, além de elegante física e espiritualmente, tem espírito conciliador, raciocínio rápido, profundidade nas suas considerações e está sempre mais disposta a ouvir do que a falar; aceita com naturalidade a diversidade de opiniões e se posiciona de forma cooperativa, e embora tenha inegável espírito de liderança - até por isso mesmo -  prefere ser coadjuvante nas tarefas, que se propõe a executar (ficamos juntos no concurso para a magistratura, e ela, sem que houvesse demanda para tanto, não só fazia as questões que lhe eram afetas, como tirava fotocópia dos livros em que pesquisara a matéria, apontando o autor, a edição, a página e o parágrafo, onde se encontrava a resposta correta). Por tudo isso, e muito mais, é sem dúvida a Diretora que precisávamos para conduzir a Escola Judicial.

Adalberto Martins
. Vice-diretor.
. Graduado em Matemática pela PUC/SP, 1985.
. Graduado em Pedagogia, por Franca, 1988.
. Graduado em Direito pela Universidade Braz Cubas, 1989.
. Mestre em Direito das Relações Sociais, pela PUC/SP, 1998.
. Doutor em Direito das Relações Sociais pela PUC/SP, 2000.
. Professor dos Cursos de bacharelado em Direito e de Especialização nas áreas do Direito do Trabalho e do Direito Processual do Trabalho.
. Membro do Conselho Consultivo da revista Mestrado em Direito, da UNIFIEO.
. Professor licenciado da FMU.
. Desembargador do TRT da 2ª Região, desde 2010.

Regina Aparecida Duarte
. Conselheira.
. Graduada em Direito pela USP, 1978.
. Mestre e Doutora em Direito pela USP, 2005.
. Curso Superior de Música, pelo Conservatório Musical de Campinas, 1973.
. Curso de Direito do trabalho, Comercial, Constitucional e tributário Norte-americano, pela "Southwestern Legal Foundation", Dallas, USA, 1981.
. Desembargadora do TRT da 2ª Região, desde 2011

Armando Augusto Pinheiro Pires
.Conselheiro.
.Graduado em Direito pela PUC/SP.
.Funcionário da Justiça do Trabalho, junto à 6ª Vara do Trabalho de São Paulo, de 1980 a 1992.
.Juiz do Trabalho, desde 1992.
.Desembargador do TRT da 2ª Região, desde junho de 2014.
.Membro do Comitê de Planejamento Estratégico do TRT da 2ª Região e Juiz Auxiliar da Presidência do TRT da 2ª Região para precatórios e requisições de pequeno valor. 
.Membro do Comitê Estadual de Precatórios do Estado de São Paulo.

Cynthia Gomes Rosa
. Conselheira.
. Graduada em Direito pela USP, 1992.
. Bolsista da Capes em Filosofia e Sociologia do Direito.
. Funcionária do antigo Tacrim, de 1988 a 1990.
. Juíza do Trabalho, desde 1996.
. Membro da Diretoria da AMATRA2, biênio 2000/2002.
. Juíza convocada na 7ª Turma do TRT da 2ª Região, desde 2012

Eduardo Rockenbach Pires
. Conselheiro.
. Graduado em Direito pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, 2002.
. Mestrando em Direito do Trabalho, USP.
. Juiz do Trabalho, desde 2008.
. Professor substituto de Direito Civil da UFMG, de 2004 a 2006.
. Professor de Direito Civil, da Escola Superior do Ministério Público, de 2004 a 2005.
. Professor de Direito Civil, Direito Processual Civil, Direito Processual do Trabalho e Direito Administrativo, em exames preparatórios para a OAB, em Mato Grosso do Sul, de 2003 a 2007 e em São Paulo, desde 2009.

Como se observa, a qualificação dos eleitos é excelente e estão preparados e capacitados para administrar a Escola Judicial, principalmente nesta época, em que a Academia - nossa Academia -  transforma-se cada vez mais, para assumir a formação do magistrado que desejamos (ou que necessitamos) ter.

Ainda, à guisa de conversa, como sempre fizemos neste blog, recordo que a Escola Judicial não é a Diretora eleita e o seu Conselho nem os coordenadores de Subnúcleos nem os dedicados funcionários que possui, a Escola somos nós, que com nossas atitudes e interesses, nos encaixamos como membros naturais do Conselho, dos Subnúcleos e da Administração.

Enfim, como sempre aprendemos, a Democracia, embora frágil, ainda é o melhor dos regimes. Todos, sem exceção, à medida de suas possibilidade, podem exercer algum cargo na EJUD2, que periodicamente muda o seu corpo diretivo, garantindo amplitude, flexibilidade, oxigenação, possibilitando, assim, um novo olhar para o Judiciário e para a formação do juiz.

Mais uma palavra, se nos permite o colóquio entre amigos, nada se faz sem história, sem passado. O presente é o passado renovado, e o futuro é o presente em construção. A EJUD2 é o que é, e o que deverá ser, porque posta a funcionar, desde os primeiros coordenadores e diretores (José Victorio Moro, Renato de Lacerda Paiva, Decio Sebastião Daidone, Yone Frediani, Jane Granzoto Torres da Silva, Lizete Belido Barreto Rocha, Maria Inês Moura Santos Alves da Cunha e Lilian Gonçalves), objetivando o melhor. E, neste percurso de aprendizado e conquista, transportando o barco do ensino, afiando seus instrumentos, vedando as suas fendas, equilibrando suas distorções materiais, observando as melhores águas, lidando com juízes e servidores, sem perder a diplomacia e o sorriso, os seus funcionários continuam como fiéis desta balança.

Parabéns aos novos dirigentes.

Carlos Roberto Husek
Um aluno da EJUD2

terça-feira, 19 de agosto de 2014

A Semana Institucional

Amigos,

Busco as palavras, as melhores palavras, para expor o que vi e o que senti na Semana Institucional. Vi, é certo, o espírito solidário e indulgente assenhorar-se do ambiente de ideias. Binômio este que faz a base de qualquer exitosa programação. A adesão de mais de trezentos magistrados por dia, média rara em eventos com este período de duração, salvo se fora de São Paulo e com programação garantida, nos dá a dimensão do que proporcionaram a Escola Judicial e o Tribunal.

A camaradagem e a condescendência marcaram o espírito desse encontro, que teve como pedra de toque as palestras que se desenvolveram, uma após a outra, como previamente programadas.

Não podia ser de outro modo, porquanto nos brindaram com seus conhecimentos Agostinho Ramalho Marques Neto, Flávia Piovesan, José Renato Nalini, Dalmo de Abreu Dallari, Cássio Scarpinella Bueno, Gianfranco Pampalon, Pedro Paulo Teixeira Manus, Antonio Carlos Malheiros, Estêvão Mallet, Antonio Galvão Peres, James Magno Farias, Georgenor de Sousa Franco Filho, Walmir Oliveira da Costa, Maurício Godinho Delgado. E, ainda, tivemos o encerramento musical (duas pianistas e um no violino) tocando Ernesto Nazareth, Zequinha de Abreu, Mozart, Gluck-Kreiler, Alberniz, Gottschalk e Pixinguinha.

Esta é a descrição correta do que se passou entre 12 e 15 de agosto? Creio que sim. Talvez, indevidamente, carregue nas cores por uma necessidade compreensível de buscar o apuro, após tanto esforço - meses de diligência e aplicação, não tanto por parte do Conselho da Escola, mas pelos seus funcionários, Ana Helena, Andréa, Eri, Edvaldo, Ebert, Silvia, Gustavo, Cabanas, Jaqueline, Auri, Adriana, Aliny, José Marcos, Ludmilla e Ticiana, que zelaram para que tudo desse certo. Todavia, espessar nas tintas não é próprio dos que querem enxergar a beleza dos matizes, que naturalmente pintam as ações humanas, quando desprovidas de anseios menores?

De nossa parte, tenham certeza, não nos moveu qualquer ambição maior, salvo a de fazer o trabalho proposto.

Houve, como bem notaram, uma parceria entre a Escola e a Administração do Tribunal, e este acontecimento, que tem a vocação de um Congresso e tende a acontecer todos os anos, somente teve alguma virtude em vista desse consórcio.

Aproveitamos para ressaltar a imprescindível colaboração da Administração do Fórum Ruy Barbosa, na pessoa do José Pedro Bulcão Carvalho, da Secretaria de Cerimonial, na pessoa da Edna Avanci, da Secretaria de Comunicação Social, na pessoa da Aline Castro, da Seção de Transportes, na pessoa do Fábio Pontes e da Seção de Atendimento de Copas, na pessoa da Laura Csengeri.

Assim, amigos, Sra. Presidente Maria Doralice Novaes, Conselheiros da EJUD2, que ora terminam seus mandatos, Conselheiros eleitos, juntamente a nova Diretora, Dra. Leila Chevtchuk, este Diretor agradece a presença de todos, esperando que, no futuro, esta escola vivaz, que buscamos, possa firmar-se, cada vez mais, no cenário nacional.

Carlos Roberto Husek